Oficiala de Justiça é agredida durante imissão na posse em São Paulo



A Oficiala de Justiça do TRT-2, Júlia Cristina Santos Fonseca, foi agredida durante o cumprimento de uma imissão na posse, nesta segunda-feira (22), no bairro Pacaembu, em São Paulo.

Segundo a Oficiala, ela estava acompanhada do advogado em favor de quem se passou o mandado e do assistente deste. Ao bater no endereço que pareceu ser a entrada social da frente do imóvel com endereço indicado no mandado, tendo em vista que não foi atendida neste último (que parecia ser apenas a saída da garagem da casa), foi atendida pelo interfone . Ao se identificar como Oficiala de Justiça e informar que estava ali para dar cumprimento a um mandado de imissão na posse, foi recebida por um casal que já saiu do imóvel gritando e ofendendo a servidora.

Como a entrada do imóvel não possui muros, Júlia chegou à porta da residência pelas escadas da entrada social. Após uns instantes de agressões verbais, o homem tentou empurrá-la da escada de entrada. “Para não cair da escada, segurei na jaqueta dele”.

Ainda de acordo com a oficiala de justiça, no mesmo momento, a mulher puxou o cabelo da servidora contra o chão e começou a dar murros na sua nuca.

O advogado e seu assistente conseguiram conter o casal e imediatamente a Polícia Militar foi acionada. A Oficiala de Justiça deu voz de prisão para os agressores que foram conduzidos até a delegacia.

Júlia contou que ambos ainda tentaram intimidar os policiais e o delegado, afirmando que conheciam o secretário de segurança pública do estado, juízes e desembargadores.

“Foi uma agressão séria. A mulher me bateu, os meus joelhos estão ralados e farei outros exames para verificar se houve alguma outra lesão. Eu me limitei a tentar me defender”, afirma Júlia Cristina.

A Oficiala de Justiça registrou um Termo Circunstanciado (TC) por lesão, vias de fato e desacato e afirmou que tomará medidas cíveis contra o casal. Para Júlia, o episódio ocorrido nesta segunda-feira reforça o seu apoio contra a concessão do porte de arma para o oficialato pois, de acordo com ela, as consequências poderiam ter sido piores caso ela tivesse uma arma no momento da agressão.

A diretoria da Aojustra se solidariza com a colega, coloca à disposição seu jurídico e repudia qualquer tipo de agressão praticada contra o oficialato. “Infelizmente, todos os dias registramos casos de ameaças e agressões contra Oficiais de Justiça em todo o Brasil. Não cumprimos mandados virtuais; a atividade de risco na rua está mais do que comprovada”, enfatiza o presidente Thiago Duarte Gonçalves.

Fonte: Aojustra

1 visualização

MENU

​ÁREA RESTRITA

REDES SOCIAIS

NEWSLETTER

Rua 115, 662, Qd F-36, Lt 86

St. Sul, Goiânia, GO 74085-325

Assine nosso informativo

e acompanhe nossas ações.

©2018 Ampli Comunicação