Oficiais do TRT ouvidos pela ASSOJAF-GO rejeitam EXE-PJE


A ASSOJAF-GO encerrou nesta quarta-feira (16/02), às 17h, a enquete realizada com os oficiais de Justiça do TRT sobre a implantação do Módulo EXE-PJE na Justiça do Trabalho. A consulta demonstrou que, em síntese, os servidores consideram que o programa trará alto impacto sobre o trabalho dos oficiais, porém com baixa expectativa de vantagens com sua implantação.


Dos que responderam a enquete, 83,9% consideram que o EXE-PJE trará grande impacto para o trabalho dos oficiais de Justiça; 12,9%, médio; e 3,2%, baixo impacto.


Em relação ao custo-benefício do programa, 29% consideram que será péssimo; 32,3%, ruim; 25,8%, regular; e 12,9%, bom. Ninguém considerou o custo-benefício ótimo.


Para a maioria dos oficiais de Justiça que respondeu à enquete, o Módulo EXE-PJE “não deveria acontecer, pois tem baixo custo benefício, ou seja, aumento exacerbado de trabalho de alimentação de dados e pouco trabalho de rua poupado. Esta foi a opinião de 51,6% dos que responderam. Outros 22,6% acham que a implantação do programa deve ser adiada.


Ao menos o adiamento da apreciação do tema pela comissão responsável pelo PJE na Justiça do Trabalho foi obtido pela ASSOJAF-GO por meio de requerimento por escrito endereçado à administração do TRT. O assunto só será pautado na próxima reunião do grupo, marcada para dia 9 de março. Antes, no dia 08/03, a ASSOJAF-GO se reúne com a administração para tratar do tema, conforme informou o presidente, Adrian Magno de Oliveira.


Fonte: Assessoria de Comunicação da ASSOJAF-GO | Ampli Comunicação

96 visualizações